All for Joomla All for Webmasters

Marcos Antonio Silva

O velho, mas sempre atual Maquiavel, em seu clássico livro "O Príncipe", sentencia que o sucesso de um governo depende do equilíbrio entre duas caraterísticas: “Virtù e fortuna”, que, em bom português, significam virtude e sorte. Nesse sentido, a virtude e a competência de uma equipe de governo o fariam depender cada vez menos do fator sorte. 

Essa lógica, proposta por Maquiavel, é colocada em situação limite em momentos como a atual pandemia do novo coronavírus, em que os infelizes membros que ocupam o governo sofrem do total desequilíbrio nesta balança, sendo que o elemento sorte nesse cenário é praticamente anulado, o que obriga esses governantes a se superarem adotando postura de estadista. A história conta com inúmeros exemplos de figuras que, no momento de crises, não fugiram do desafio imposto por um cenário adverso. Como exemplo, podemos citar o ex-presidente dos Estados Unidos Franklin Roosevelt que, após a astronômica crise de 1929 - precedida pela grande epidemia da Gripe Espanhola que matou cerca de 100 milhões de pessoas em todo mundo - restaurou a economia daquele país com a implementação do New Deal, um plano econômico que, basicamente, consistia em uma política de distribuição de renda e geração de emprego.

No caso específico do Brasil, podemos afirmar que o pouco que sobrou de sorte na luta contra a pandemia do novo coronavírus consiste no fato de que, ao contrário do ocorrido na China e na Europa, que tiveram muito pouco tempo para entender a gravidade da situação, dispomos de um relativo tempo para adotar medidas de preparação do nosso sistema público de saúde para enfrentarmos a doença.

O doutor em microbiologia Atila Iamarino, em recente entrevista ao programa Roda Viva da TV Cultura, deixou evidente esse trunfo que temos em mãos. Segundo esse especialista, o Brasil tem uma espécie de máquina do tempo nas mãos, pois podemos ter uma boa ideia do que vai ocorrer aqui, caso as medidas propostas pelos infectologistas não forem adotadas com base em países que no momento estão sofrendo com os picos da pandemia. Assim, dispomos da possibilidade de aprender com as experiências europeia e chinesa, o que deve ser feito e, mais importante ainda, sobre o que não deve ser feito, a exemplo do já emblemático caso de Milão, na Itália. Frente ao medo da retração da economia, o prefeito Giuseppe Sala demorou tempo demais para adotar o inevitável isolamento social, e outras medidas indicadas pelos especialistas, e colheu como resultados o colapso do sistema de saúde da cidade e um grande número de mortes.

Mas, voltando ao que disse Maquiavel sobre a arte de governar, parece que o que sobrou de sorte aos governos municipais, estaduais e principalmente ao governo Federal brasileiro, falta em virtude e competência. Assim, ao invés da adoção de uma postura de Estadista e conciliador que o momento exige frente à necessidade de tomada de duras e difíceis decisões, as quais devem ser norteadas por questões técnicas e, muitas vezes, contrariando interesses de poderosos, observamos perplexos o apequenamento de vários líderes políticos no atual cenário. Exemplo máximo dessa iminente tragédia foi a demissão do Ministro da Saúde Luís Henrique Mandetta que tinha como seu maior mérito (considerado pelo governo Bolsonaro seu maior defeito) seguir as orientações da Organização Mundial de Saúde e dos especialistas em epidemiologia. Nesse cenário, não podemos deixar de fazer alusão à admirável postura do prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil, que resiste bravamente às pressões externas, e faz declarações incisivas em defesa das recomendações dos especialistas que comandam a pasta de Saúde em seu governo.

O Brasil, que sempre foi conhecido como o país de milhões de “treinadores”, que juram ter uma solução rápida, fácil e eficaz para resolver todos os problemas do seu time, no atual cenário, se transformou na pátria de milhões de falsos especialistas que possuem soluções simples e eficazes para o complexo problema da pandemia de Covid-19. O país conta ainda com uma visão que defende que, frente ao iminente caos no mundo, devemos, assim como pregou o já arrependido prefeito de Milão, vivermos nossas vidas como se nada estivesse acontecendo.

E para não falar que eu não estou pensando na economia e, assim como os milhões de falsos especialistas de plantão, só estou puxando a sardinha para o meu lado - devemos ter em mente nesse momento um princípio básico das políticas de promoção à saúde, em que cada real investido em prevenção significa, lá na frente, a economia de cinco reais com tratamentos. No atual cenário, gastos públicos com assistência social e possíveis prejuízos sofridos pelo setor empresarial podem significar, em um futuro próximo, investimento, pois até economistas mais liberais estão defendendo a ideia de que é muito mais fácil recuperar uma economia com dois ou três meses de estagnação da produção e do comércio, do que um país que sofre com o trauma causado por milhares de mortes.

Assim, finalizo com a dica: cuide-se pensando não só em si mesmo, mas também nas pessoas que ama. Se puder fique em casa e, o mais importante nesse momento, escute somente quem realmente entende do assunto, caso contrário, você pode, depois de tudo, assim como o prefeito de Milão, pedir desculpas por erros para os quais não há perdão.

 

0
0
0
s2smodern

"Dá nada pra mim”, quantas vezes você já escutou essa expressão nos últimos anos? Provavelmente várias. Eu, por exemplo, na condição de professor da Rede Pública quase que diariamente escuto alunos reproduzindo essa já célebre expressão indiscriminadamente. Mas o que de fato está por trás dessa afirmativa? Quais são as consequências de acreditarmos e mais ainda estimularmos os jovens acreditarem nessa expressão

Podemos entender essa afirmação, quando reproduzida por um menor, principalmente quando esse pertence a um grupo familiar submetido a um quadro de vulnerabilidade social como a internalização do próprio jovem, negro (preto ou pardo), morador de periferia, oriundo de família de baixa renda envolvido ou não em atividades criminais de um discurso perigoso encabeçado por parte significativa da sociedade brasileira a qual ainda insiste em acreditar que a simples criação ou modificação de uma lei poderia resolver todos os problemas da criminalidade no país. Assim, parte sensível da população brasileira acredita que com o endurecimento das leis, a redução da maioridade penal e a criminalização da pobreza teremos um país mais seguro. Esses assim ignoram o fato de que os países que resolveram o problema da criminalidade, os quais apresentam índices sustentáveis de violência, não investiram em criação de leis mais rígidas, mas sim em políticas de inclusão social como educação de qualidade para todos, combate as desigualdades (econômicas, raciais, de gênero geracional), politicas voltadas para a juventude (nas áreas de lazer, esporte e cultura) e Inclusão no mercado formal de trabalho das populações em condição de vulnerabilidade.

Para respaldar esse argumento da ineficácia do endurecimento das leis como solução para a criminalidade podemos citar o estudo do Professor Luís Flávio Gomes intitulado "Beccaria (250 Anos) – e o Drama do Castigo Penal: Civilização ou Barbárie?" , onde o autor nos mostra que nas ultimas, décadas no Brasil, mais de setenta por cento das leis que discutiam a questão da criminalidade propunham alteração no código penal no sentido de endurecimento das Leis, mas essas alterações quando implementadas pouca efetividade tiveram sobre a redução da criminalidade no país, que por sinal viu nas ultimas décadas a explosão da criminalidade, com a estruturação do tráfico de drogas e do crime organizado.

Voltemos à análise da simbólica expressão "Dá nada pra mim" ela explícita por parte desses jovens uma falsa sensação de impunidade que a eles é atribuída, pois por serem menores, a justiça lhe confere mediante ao Estatuto da Criança e Adolescente e especialmente a Declaração Universal dos Direitos Humanos, que também é pejorativamente chamada como "Direitos dos Manos" a licença para cometer crimes. Tais posicionamentos da sociedade brasileira demostram a total ignorância e desconhecimento sobre os conteúdos desses dois documentos, os quais são primordiais para o processo civilizatório que a humanidade viveu nos últimos séculos. Em especial os direitos humanos que é um documento que busca deixa claro que todos os seres humanos, independente de raça, cor, credo ou nacionalidade tem direitos inalienáveis como direito a vida , a liberdade , a propriedade, a educação, a um emprego digno e a não ser vitima de justiça sumária.

Outro efeito nocivo deste posicionamento da sociedade Brasileira que é cristalizado na expressão "Dá nada Pra mim" é estimular parcela da juventude em condição de vulnerabilidade social a entrarem para o mundo do crime, pois o próprio discurso corrente afirma que pelo fato de ser menor de idade os jovens não enfrentarão maiores consequências frente ao fato de se enveredarem para o caminho da criminalidade seja no tráfico de drogas, realizando furtos, roubos e até mesmo crimes hediondos como assassinatos e estupros, afinal de contas "Não da Nada Pra Mim".

Esse discurso cai por terra quando analisamos as estatísticas apresentadas pelo Mapa da Violência e utilizadas pelo Programa JUVIVA – Juventude Viva – realizado pelo governo Federal no Ano de 2012 em parceria com o Observatório da Juventude da UFMG.

Esta pesquisa mostra que em 2012 o Brasil apresentou o astronômico número de 50 mil assassinatos - (no ano de 2017 chegamos a marca de 60 mil assassinatos), números esses que intrigam pesquisadores internacionais, pois essas são estatísticas dignas de países em guerra como Síria e Iraque. Recortando os dados verificamos que desse total 60 por cento dos mortos era composto por jovens de idade entre 14 a 29 anos, a maioria - setenta por cento - composta de negros (pretos e pardos), no que se referem ao sexo das vitimas de homicídio 91,5 por cento eram homens. Para concluir, o perfil de quem é assassinado no Brasil a maioria das vitimas eram moradores de periferias sociais – vilas, favelas e bairros pobres - com baixa escolaridade e representativo número de pessoas que se quer ingressaram no ensino médio e oriundos de famílias de baixa renda, ou seja, justamente o perfil , como relatado acima, de quem é estimulado a incorporar o discurso do "Dá nada pra mim". Portanto, podemos concluir através das estatísticas que o discurso qual defende a falta de maiores consequências do envolvimento de jovens com a criminalidade não é real, pois para esse grupo a expectativa de vida é bastante baixa e nesse curto período de vida acumulam sucessivas passagens por centros de ressocialização, que de ressocialização só possuem o nome, e por cadeias que são verdadeiras masmorras, ou seja , para esses jovens definitivamente o crime não compensa, mas para completar o ditado popular, tudo conspira a favor.

Os dados apresentados pelo mapa da violência no Brasil levaram a alguns órgãos de defesa da juventude a afirmarem que o Brasil passa por um processo silencioso de genocídio da juventude pobre e negra, pois mantidas essas estatísticas por vários anos teremos o aniquilamento desse seguimento da população, o qual historicamente não tiveram os seus direitos básicos garantidos como direito a moradia , direito a educação de qualidade , direito a um emprego digno e agora tem o seu direito mais fundamental, que é o direito a vida, violado. Claro que alguém vai ler esse artigo e afirmar que eu estou propondo que protejamos os "vagabundos", mas como o estudo do Professor Luís Flavio Gomes analisou legislações penais de mais de 70 países constatou, não são leis mais rígidas que combatem a criminalidade, mas sim a implementação de direitos básicos que promovam a diminuição das desigualdades, basta verificar que os países que tem as menores taxas de criminalidade são também os que apresentam os melhores índices de distribuição de renda e educação, ou seja, esses países ao invés de questionarem o texto da Declaração Universal dos Direitos Humanos o colocaram em prática.

0
0
0
s2smodern

Vendo publicidades do Governo Michael Temer a qual tenta justificar sobre o porquê de suas famigeradas reformas, que conta inclusive com apoio de significativa parcela da população, me impressiona o cinismo de tentar a qualquer custo fazer com que quem mais necessita pague a conta da crise. A estratégia do governo é simples, busca convencer todos que o Estado Brasileiro não se sustenta e que devemos cortar direitos constitucionais para que possamos aplacar os efeitos da crise que é a maior de todos os tempos. Assim busca mostrar as pessoas que as reformas austeras que seu governo propõe são o único caminho para superarmos a grave situação em que o Brasil se encontra hoje e quem se opõem a essas medidas faz isso apenas por questões ideológicas ou por ignorar os conceitos básicos de uma ciência exata e distante de influências ideológicas que se chama Economia.

Mas será que isso está correto? O único caminho para solução da crise econômica são essas Reformas? Antes de uma solução definitiva para essa questão cabe lembrar que a verdadeira origem dessa crise, que definitivamente não é a maior crise que nosso país enfrentou em sua história (é só conversar com quem viveu os anos oitenta) nem teve origem no Brasil, mas é reflexo de uma crise de confiança dos mercados internacionais e foi motivada por um esquema de corrupção no mercado imobiliário norte-americano, logo eles que são apresentados por nossa classe média, dita esclarecida, como exemplo de ética e retidão as ser seguido.   Cabe ainda apontar que essa crise econômica que não poupou ninguém, no Brasil foi agravada pela crise política que como sabemos foi motivada pelas relações promíscuas entre governo e elites econômicas, sendo que esta ultima via financiamentos bilionários de campanha tanto da dita esquerda quanto da direita, buscaram privatizar o estado constituindo governos que se comportam como defensores dos interesses desses grupos em detrimento dos reais interesses da nação. Somente esse fato colocaria a necessidade de uma profunda reforma política que blindasse o poder publico dos assédios desses grupos na frente das ditas “necessárias reformas”, como toda noite o Willian Waack, âncora do Jornal da Globo olha nos meus olhos e afirma, praticamente chamando de idiota qualquer pessoa que critique essas medidas.

Mas vamos deixar de lado a questão da reforma política e nos determos somente ao campo da economia. Entre todas as reformas propostas, que como podemos perceber atingem sempre o elo menos favorecido da sociedade, ou seja, a classe média, sim a classe média que tem entres seus membros ferrenhos defensores das atuais reformas, mas que também é esfolapada pelo sistema de arrecadação de impostos e taxas de juros dos bancos, e as famílias de baixa renda, enfim entre todas essas reformas não ouvimos em nenhum momento falar de Reforma Tributária. As únicas citações sobre o tema se aproveitam do total desconhecimento da população sobre o mesmo para ameaçar os contribuintes dizendo que caso não sejam feitas as Reformas a alternativa será o aumento de impostos. Com esse argumento o governo vem conquistando o que quer no congresso nacional. Mas lá ninguém fala em uma Reforma tributária de fato que diminua os impostos sobre circulação de mercadorias e tribute as grandes riquezas e as heranças, que implemente uma tabela de imposto de renda progressiva onde quem ganha mais paga mais e de um sistema de coleta de impostos mais eficaz , assim como é em qualquer país do mundo civilizado, inclusive nos de inclinação Neoliberal como os Estados Unidos. Realmente no Brasil a questão tributária é um absurdo, pois pagamos impostos a nível de Países Nórdicos (Noruega 56%, Suécia 52% e Finlândia 54%), mas temos serviços equivalentes aos países mais pobres da África.  Fato este que leva a todos criticarem amplamente o sistema tributário vigente, mas ninguém pensa em muda-lo pelo simples fato que este sistema cruel e covarde com os menos favorecidos atende uma parcela da população que tem grandes influências dentro do governo. Vamos entender então por quê?

Obviamente que parte significativa do dinheiro de nossos impostos é mal gastos por nossos governantes bancando os privilégios de políticos e servidores do alto escalão do Governo, também devemos levar em conta a parcela significativa que é desviada em esquemas de corrupção que também levam o governo a gastar muito e mal nossos impostos, vide os escândalos de favorecimentos de empresas desvendado pela operação lava-jato. No entanto, não temos somente problemas no gasto, mas também na arrecadação. Aqui no Brasil empresário, com amplo apoio da opinião pública, acham bonito dizer que sonegam impostos, mas você já parou para pensar o absurdo que é sonegar impostos? Vamos lá.

Como exemplo podemos analisar o custo da cervejinha que grande parte dos brasileiros merecidamente consome nos finais de semana, em média 50% da composição do preço dessa bebida é composta de impostos. Achando isso injusto o que os empresários fazem, eles sonegam os impostos que virtualmente iriam financiar saúde, educação, políticas sociais et, mas o pior é que na hora de revender a cerveja que custaria 7 reais, ao invés de descontar os impostos e me vender a 3 reais e 50 centavos, não eles me vendem pelos mesmos 7 reais incorporando aos seus lucros o que deveria financiar o estado. Quem é duplamente lesado nessa história? Resposta o cidadão, em especial o cidadão de baixa renda, que tem significativa parte de seu salário destinada ao pagamento de impostos e não recebe serviços públicos de qualidade os quais eles não teriam como financiar do seu próprio bolso e agora ainda tem sua aposentadoria ameaçada.

A prática de sonegação de impostos é algo culturalmente aceito no Brasil, mas assim como o desvio de verbas publicas por pessoas ligadas ao governo, é um crime de corrupção. Assim, uma reforma tributária que garantisse uma maior eficácia na cobrança de impostos, e que passe a buscar alternativas de arrecadação que não os impostos sobre circulação de mercadorias poderia ser um excelente caminho para superar os rombos nas contas publicas, e mais, segundos especialistas poderíamos com uma cobrança mais eficaz de impostos, a exemplo do imposto único (IVA) praticado na Europa, diminuir a tributação sobre mercadorias, assim aumentar o poder de compra do consumidor, e ao mesmo tempo aumentar a arrecadação de impostos.

Vamos acordar Brasil isso não é uma questão ideológica, é uma questão de lógica e não precisa acreditar nesse humilde professor comece a estudar sobre sistemas tributários no Brasil e no mundo, você constatará que nosso modelo de tributação reúne todos os vícios possíveis e é de fato construído para não funcionar. No próprio Youtube existem matérias bem esclarecedoras de curta duração com especialistas falando sobre o tema. Lembrando sempre que opinião sem informações seguras e fundamentadas gera preconceitos e nos distancia de um mundo mais justo.

 

0
0
0
s2smodern

Será porque estamos novamente discutindo a maioridade penal?

É difícil entender como o povo brasileiro se deixa ludibriar e não enxerga as coisas. Veja os fatos, no auge das investigações do "Petrolão", escândalo que expõe as vísceras da política brasileira e mostra que possuímos uma democracia de fachada onde o poder econômico é soberano e que a grande maioria dos nossos representantes (do PT, do PSDB e dos demais partidos) foram eleitos com dinheiro de empresas e não governam para o povo, e sim para essas empresas. Neste rico cenário onde temos a chance de mobilizar a sociedade brasileira para a urgência de uma reforma política que diminua a influência do poder econômico nas eleições (por que infelizmente acabar com essa influência é um sonho ainda distante). Exatamente neste momento que cada vez fica mais claro que uma simples troca de atores não irá mudar o rumo da novela que é a política brasileira e que novos políticos respeitando as mesmas regras eleitorais não irão fazer diferente dos que aí estão para se manter no poder.

Justamente nesse cenário coloca-se em votação o texto que discute a maioridade penal, no velho estilo de tentar resolver os problemas do mundo com leis, velho estilo de Riobaldo personagem de Guimarães Rosa em "O grande Sertão Veredas", que a todo momento propõe leis como "Deveria de existir uma lei que proibisse a miséria no mundo". Sem questionar o mérito da lei que realmente divide opiniões, mas que qualquer especialista que trata da criminalidade no Brasil, sem fazer muito esforço comprova sua ineficácia para resolver o problema da violência no país, que por sinal passa muito longe de uma simples política de segurança pública.

Enfim, essa não é a questão, o fato é que esse tema está servindo como rota de fulga para os políticos e empreiteiros envolvidos no "petrólão" , pois a discussão da maioridade penal neste momento encobre o fato que já está sendo preparada uma "pizza gigantesca", onde como no "mensalão", serão condenados dois ou três "bois de piranha" que vão ser o judas (a exemplo de Zé Dirceu, Genoíno e Marcos Valerio) e a grande maioria dos envolvidos nos processos serão absolvidos por insuficiência de provas. Nada vai mudar na dinâmica política brasileira e daqui a mais quatro anos iremos novamente vivenciar a festa da democracia e votaremos.

 

0
0
0
s2smodern

Nova gestão e todos se perguntam qual a prioridade para os representantes que assumem a política em Ribeirão das Neves. Seria saúde, educação, pavimentação de ruas, saneamento básico? Estas que são eternas demandas das quais nossa cidade é tão carente e que entra gestão, sai gestão, insistem em perdurar.

Eu ousaria, no entanto, apontar outro desafio que esta nova gestão deveria assumir como prioritário: o desafio de se criar de fato uma “cidade”. Talvez esteja sendo radical em afirmar que não temos de fato uma cidade ,mas afirmo isso tendo em vista que uma cidade não se constitui por ter um posto de saúde, uma escola, uma estrada bem pavimentada, uma praça. Uma cidade é isso e muito mais. Uma cidade é feita sobre tudo pelas pessoas que vivem neste local e acreditam que ali é um bom lugar para ser viver a vida em sua totalidade. Onde as pessoas tenham possibilidades de trabalhar em empregos dignos, onde tenham um teatro para que os  seus jovens possam conhecer e expressar sua arte, onde tenham o cinema para levar a namorada, um parque para praticar esportes, brincar, se divertir ou para simplesmente fazer nada.

Assim, uma cidade só é uma cidade quando esta tem um povo que tem orgulho e prazer em viver e estar ali, caso contrário temos apenas a fria denominação administrativa de município, impessoal e sem vida.
Esta análise não consiste em uma simples constatação de um único e pretensioso observador, vários estudos dentre eles o mais recente, realizado pelo Instituto Horizontes no ano de 2011, aponta que o estimulo do sentimento de pertencimento dos cidadão nevenses para com o sua cidade deve ser entendido como elemento de extrema relevância para que o município de Ribeirão das Neves possa de fato alcançar níveis de desenvolvimento semelhantes ao de cidades da Região Metropolitana como Contagem, Nova Lima, Betim e Belo Horizonte. Desta forma, torna-se  necessário que primeiro os seus habitantes gostem, valorizem e se conscientizem das possibilidades do local onde moram para que as demais pessoas, que estão fora da cidade acreditem, respeitem e invistam em Ribeirão das Neves e em seus habitantes.

Mas o que constatamos em pesquisas recentes realizadas pelo Observatório de Ribeirão das Neves, é que este sentimento de pertencimento á cidade inexiste ou existe de forma muito germinal em sua população. O que se percebe muitas vezes, é que temos uma “população que está em Neves é não é de Neves”. Explico melhor; temos no município um grande contingente de pessoas que vieram habitar a cidade devido à proximidade da capital Belo Horizonte, pelo baixo custo de seus lotes, para ficar mais perto de um parente que esta cumprindo pena nos presídios da cidade ou outros motivos, mas que quando ascendem socialmente abandonam o município. No caso dos nossos jovens que tiveram acesso a universidade isso e mais grave ainda, pois assistimos a migração para outras localidades das mentes que poderiam tanto contribuir para o  desenvolvimento da cidade.

Mas a grande questão que se coloca então é a seguinte: De quem é a função de gerar na população este sentimento de pertencimento? A resposta é a mais óbvia possível. Está é uma preocupação que deve ser de todas as pessoas que aqui moram, mas de uma forma especial do poder público, em suas diferentes instâncias. Seria leviano exigir somente de nossa população, em especial os jovens, uma postura de pertencimento frente a município onde não há opções de lazer, cultura, assistência médica e ensino de qualidade, onde se tenha que passar preciosas horas de seu dia no deslocamento para capital em um ônibus lotado sem o mínimo conforto. Mas seria leviano também exigir somente de nossos representantes esta postura, todos temos que buscar realizar leituras de Ribeirão das Neves valorizando que a cidade tem de melhor, não reproduzindo facilmente estas representações pejorativas como “Ribeirão das Trevas”, e principalmente buscando meios para contribuir com as soluções dos problemas enfrentados pelas cidade.

O desafio está posto, mas como vimos gerar o sentimento de pertencimento da população de um município com o perfil de Ribeirão das Neves não e fácil , mas ao mesmo tempo possível e necessário para que possamos vislumbrar um futuro de desenvolvimento econômico, justiça social e preservação ambiental como foi citado no discurso da agora Prefeita Daniel Correia. Por fim cabe desejar aos nossos novos (alguns nem tão novos assim) representantes o que Nicolau Maquiavel , filosofo Italiano do Século XVI , apontou como essencial para um bom governo: Fortu e Virtú (sorte e virtude).

 

0
0
0
s2smodern

Os artigos publicados são de inteira responsabilidade de seus autores. As opiniões neles emitidas não exprimem, necessariamente, o ponto de vista do RibeiraoDasNeves.net.

Casos em acompanhamento: 12.482

Casos confirmados: 3.143

Casos em presídios: 307

TOTAL DE CASOS: 3.450

Óbitos confirmados p/ Covid-19: 127

Casos curados: 2.666

Fonte: Secretaria Municipal de Saúde de
Ribeirão das Neves 
Última atualização: 18//09/2020

 

bg contorno