Eu confesso que fiquei muito impressionado com esses valores mostrados nesse ano, pois nos anos anteriores a Festa da cidade era produzida com bem menos que 1 décimo desse valor apresentado, por isso precisa ser fiscalizado e é bom avaliar com calma antes de falar qualquer coisa.

A matéria da TV Record, apresentada pelo Carlos Viana, comete um erro quando diz que os artistas eram locais, pois não eram, isso foi até um motivo de muita indignação. O secretário de cultura deu uma justificativa até "bizarra" para os grupos locais na ocasião dizendo que não os convidou por que não conhecia os artistas da cidade, mas em nenhum momento abriu inscrições, não comunicou os conselheiros e não utilizou o cadastro dos grupos que a secretaria possui que ele alegou não existir. Enfim, esse é um risco que corre quando não permite a participação social na gestão.

Mas eu acho muito perigosa essa matéria sobre a Festa de Nossa Senhora das Neves feita pela Record. Ela coloca um dos maiores patrimônios da cidade como algo supérfluo e cria um distanciamento ainda maior da população com a cultura local.

A festa gera emprego, renda e também é uma opção de lazer e entretenimento, será que a população não merece isso? As pessoas que trabalham tanto todos os dias também tem direito à cultura e é função do poder público garantir isso.

Eu sei que a cidade tem várias dificuldades, que precisa de serviços básicos, de melhora na saúde e educação, mas o pobre também tem direito de se divertir, o pobre não pode ser condenado a somente trabalhar e dormir a vida toda. Mas a discussão não é essa...

Cultura não é só festa, a cultura pode ser essencial para o desenvolvimento econômico e social de uma cidade se for trabalhada com respeito, dedicação e gestão compartilhada.

A política cultural pode contribuir muito para educação das crianças, jovens e adultos, para a saúde das pessoas e também para incluir as pessoas na sociedade.

Mas para isso a gestão tem respeitar o desejo da população, o poder público não precisa ficar em guerra com os trabalhadores da cultura, não precisa ficar em mínimas disputas de ego e de poder, tem que discutir a cidade sem preconceito, tem que parar de achar que sabe o que é melhor para as pessoas...

Enfim, a população precisa compreender que cultura não é gasto, que é investimento, mas para isso os recursos precisam ser investidos nos lugares certos.